Friday, October 30, 2009

Sobre comportamentos e ratinhos


Assim como os ratinhos brancos utilizados nas experiências científicas da psicologia onde nós humanos estimulamos o seu comportamento e eles agem de acordo com o que eles já experimentaram anteriormente, cá estou eu me comportando da mesmíssima maneira.
Uma vez sofri demais e por tempo demais - pelo meu querer também, é verdade - e, assim como o motivo do meu sofrimento, repetia o mesmo comportamento toda vez que era procurada. Percebi com a ajuda de muitos que me fizeram enxergar que se continuasse naquele padrão de comportamento, jamais mudaria qualquer coisa na minha vida, afinal, para o outro indivíduo, a situação era mais do que cômoda. Para mim, sobravam apenas as ruínas de algo que já havia se destruído há tempos e que só eu não percebia.
No entanto, como os estímulos mudam de tempos em tempos, o comportamento dos ratinhos, assim como o meu, se altera de acordo com o novo, o desconhecido e torna-se repetitivo, mais uma vez, quando este estímulo passa a ser um velho conhecido.
Pois bem, no meu caso específico, percebi que caí novamente na armadilha do comportamento repetitivo e dele não consegui escapar. Desta vez, entretanto, consegui identificar o problema com maior rapidez (acho que estou ficando mais espertinha!), podendo consertá-lo (e querendo consertá-lo - o que é mais importante) o mais rápido possível. Por isso, repito um comportamento já utilizado anteriormente e com tamanha eficácia que nem eu mesmo acreditei: a distância.
Às vezes, o melhor remédio é mesmo se distanciar do "objeto" que lhe causa desejo, saudade e sentimentos diversos desconhecidos. Na dinâmica atual, não adianta mais falar, tentar mostrar ou fazer alguma coisa, não há mais nada a ser feito, então, achei melhor repetir algo já utilizado com o resultado eficaz e tentar obter o mesmo resultado anterior. Será que dá certo?

Saturday, October 24, 2009

Conversa pra boi dormir

Outro dia parei pra pensar do quão "facilmente encontrável" eu sou e fiquei abismada com os números e possibilidades encontradas: tenho dois orkuts (em um só não cabe todo mundo!); dois MSNs (em um tem tooooodo o mundo e no outro só "algumas" pessoas); um twitter (mais um instrumento de tortura internáutica); um blip.fm; um facebook; dois e-mails do hotmail; um gmail; um zipmail (acho que nem existe mais, mas beleza); um e-mail da uol; um yahoo; um e-mail do escritório; um flickr; pertenço a três grupos do yahoo todos ligados à minha atual faculdade; dois celulares; dois telefones e um fax dentro de casa; um telefone direto no escritório; dois blogs (o outro tá abandonado praticamente). Moro no mesmo endereço há bastante tempo. Tenho o mesmo número de celular há quase 10 anos.

Se jogar meu "apelido" no todo-poderoso Google, encontra de tudo: facebook, twitter, blog, comentários em blogs alheios, etc, etc. Se colocar meu nome inteiro, então, encontra até o escritório onde eu trabalho e as faculdades que eu entrei e acabei cursando...

E, ainda sim, depois de tudo isso, tem gente que tem a cara-de-pau de dizer: "não sabia como te encontrar".

Friday, October 23, 2009

Sobre trocas

Apesar de o dia ter se arrastado com a dor que eu senti, tive muita vontade de chegar e escrever a ele algo que eu estava sentindo. Queria compartilhar o meu sentimento na mesma medida em que ele apareceu dentro de mim.

Cheguei em casa, larguei as coisas desajeitadamente e fui correndo ligar o computador.

Por fim, além de não ter escrito nada, me decepcionei ao saber que a resposta de um e-mail qualquer enviado despreocupadamente nesta tarde não veio. A troca simplesmente se perdeu. E nem foi por uma desculpa plausível... apenas porque ele não teve a vontade de me escrever mesmo.

Frase da semana

"Não sei se quero descansar por estar realmente cansada ou se quero descansar para desistir"
(Clarice Lispector)

Friday, October 16, 2009

Giulia e Gabriel - #2

Gabriel acabou não respondendo a carta de Giulia. Aliás, desde a carta entregue não mais se viram, mas vinham se falando e sempre sendo muito amáveis um com o outro. Até que Giulia ficou sabendo de algumas coisas durante o final de semana e, diante dos fatos, decidiu se fechar no silêncio.

Gabriel, após alguns dias e não sabendo de nada, escreveu para ela um tímido "Tá aí?" e Giulia, por sua vez, respondeu, contrariando todas as vozes de seus grilos falantes. Trocaram rápidas mensagens quando uma das respostas de Gabriel foi "Mas to com saudade de você". Giulia hesitou. Ficou em silêncio novamente. Achou melhor não manifestar seus sentimentos, vontades e desejos. Achou melhor não contar à Gabriel que ele a magoou com as suas ações. Mais do que isso, que ele mentiu pra ela.

Ela queria poder ter falado tudo o que estava entalado, mas não teve coragem. Não por uma mensagem. Ficou em silêncio novamente. Voltou ao status quo quando sua vontade, mais uma vez, era de por os pés pelas mãos e responder um simples e sonoro "Eu também".

Thursday, October 15, 2009

cinco... SEMANAS?!

Meudeusdocééééuuu! Ela falou, mas eu não acreditei até chegar em casa e olhar o calendário... maledeto! Faltam mesmo apenas CINCO semanas para o final das aulas. Se as minhas notas já andam medíocres agora, imaginem quantas dp's eu vou pegar...
Ai, me ferrei... desse semestre não passo ilesa.

Monday, October 12, 2009

Memórias

Hoje eu relembrei meus tempos de Estados Unidos: shorts xadrez ((que me serve até hoje, 11 anos depois)), blusa de moletom e pantufas. Comi um monte de besteira, assisti o mesmo filme pela milésima vez, dormi, acordei, estudei um poquinho pra tirar o peso da consciência e preguicei muito!
Ah que saudade daqueles bons tempos.

~ Feliz dia das crianças ~

Faz tempo...

Friday, October 09, 2009

* Aproveitando o tempo - Parte 2 *

Dessa vez o troféu "aproveitando o tempo" vai para a mocinha do carro ao lado do meu. Em plena sexta-feira cinzenta e chuvosa e pré-final de semana prolongado, eis que surge uma motorista ao meu lado com todo o seu charme e... um bob na cabeça. Um bob enorme enrolado na sua franja no meio do trânsito de São Paulo.

E eu ainda acho que faço coisas bizarras no trânsito... hehe

OBS: sobre bizarrices e "aproveitamentos" de tempo no trânsito, vejam também:
* Aproveitando o tempo *



Tuesday, October 06, 2009

Epiphany


About being upset

É triste cair mais uma vez nas armadilhas que as pessoas preparam pra gente. Eu, como sempre, caio em todas: desde as pegadinhas mais infames nas provas intermediárias, até naquelas em que já estou cansada de cair, mas que não aprendo a ficar longe.

Estou realmente cansada de ficar pra trás ou ser sempre a pessoa que está ali esperando aquilo que não vem. E, sinceramente, não sei se um dia virá. Já falei que espero demais das pessoas e sempre recebo em troca de menos. Muito menos.

E quando caio na real e percebo que estou sendo a trouxa da história mais uma vez, dói. Dói de novo, de maneira diferente, mas dói. E cansa... como cansa! Não aguento mais. Será que o problema é só meu mesmo? Acho que devo errar muito no mesmo ponto. Dizem por aí que erro nas pessoas de convívio, mas, por outro lado, não sei conviver de outro jeito. Talvez devesse me esforçar mais e, ao menos, tentar. Tentar ver o outro lado das coisas e/ou tentar ver gente nova com outras maneiras de pensar e outras formas de agir. Algumas já estou cansada de ver e não acreditar, mas não passam de mau-caráteres e isso eu quero o mais longe possível de mim... ah, se quero!


PS: e eu que pensei que essa semana seria melhor...

Frase da semana

"Deus escreve certo por linhas tortas"


A semana mal começou e eu já elegi a frase da semana, simplesmente com base em determinados acontecimentos. Afinal, se a pessoa tivesse atendido aquele telefonema, esta poderia ter sido a minha última ligação e poderíamos não nos falar nunca mais depois disto, pois nem sempre as verdades são bem vistas.

É melhor mesmo jogar pro universo e ver como as coisas acontecerão daqui pra frente.

Thursday, October 01, 2009

About being speechless

Grossas e pesadas elas escaparam dos meus olhos e deixaram-se rolar pelo meu rosto. Doeu ouvir tudo aquilo. Sei que alguns dos motivos dados realmente tinham total fundamento, mas alguns outros acabaram tornando-se, ao meu ver, pequenas "pecuinhas".

Fiquei totalmente sem chão. O estômago se fechou a ponto de eu não querer almoçar. Tudo o que eu queria naquele momento era pegar as minhas coisas e sair dali. Mas, ao invés de seguir os meus sentimentos, sentei-me calada, enfiei meu Ipod nos ouvidos e fiquei ouvindo músicas para parar de pensar, para não ter que argumentar.

É bem difícil você ouvir as pessoas te criticando pesadamente durante longos cinquentaintermináveisfuckingminutos e você não poder falar absolutamente nada, pois não tem nada a falar. Tudo o que faz é ouvir e ficar quieta. Além de ouvir o que os outros falam, você escuta os seus próprios pensamentos que, neste momento, estão inquietos e impacientes e são mais altos do que você imagina.

Por um lado, desanimei de vez, pois vi que absolutamente nada do que eu faço está certo. Incompetência. Era essa a palavra que gritava na minha cabeça a cada nova crítica ouvida. Em nenhum momento ouvi um "ah, essa parte está boa" ou "isso melhorou" e isso me fez sentir ainda pior depois de um início de semana nada fácil.

Os e-mails estão errados, a organização está errada, os conceitos passam longe do correto.
Enfim, diante de tudo isso, só posso tentar mudar e ser a pessoa perfeita que eles esperam que eu seja: aquela que faz tudo mais do que certo, que chega no horário e sai depois dele, que está sempre impecável, que nunca comete erros em português ou em inglês, que é uma pessoa séria, que vai se tornar "a profissional" de todos os tempos, que é praticamente igual à sua colega de trabalho e que, ainda sim, vai ter que se fingir de feliz e tomar um solzinho para perder o tom abatido das noites-pouco-dormidas.

Só espero que acabe logo e que eu sobreviva a mais uma semana inteira de bad hair days...

Música da Semana

"Escorre aos litros o amor..."

*Música em homenagem ao meu anjinho da guarda... she just saved my day!