Tuesday, January 22, 2013

O que eu queria

Arquivo pessoal
Às vezes eu só queria que a resposta estivesse pronta. Ali, bem ali onde estivesse no alcance dos meus olhos. Queria saber para onde ir, o que fazer. É fácil encontrar a resposta para os outros: você assiste o problema de fora, como se estivesse em cima de uma árvore, assistindo, analisando todos os acontecimentos na vida alheia. Mas e aí? O que sobra para mim? Sempre as dúvidas. Intermináveis questionamentos.

Queria saber me controlar mais em determinadas situações, me descontrolar em tantas outras. Saber se o caminho é o certo, saber o que é certo e o que não tem nada a ver. Queria que as pessoas se entendessem melhor, que não existisse ciúme bobo, intriga barata, sentimento mesquinho. Que não existisse inveja e muito menos ódio no coração. Mas somos todos seres humanos e temos todos essas tais "humanices" dentro de nós.

Queria aprender a esquecer com a mesma facilidade com que eu lembro de determinadas coisas. Aprender a lidar melhor com as emoções, a racionalizar mais os sentimentos, a me respeitar mais.  Queria perder a insegurança, o medo da rejeição. Queria não me deixar sentir ignorada, como se o meu ummetroesetentaeoito não estivesse aqui. Queria entender mais as pessoas e suas atitudes muitas vezes inesperadas. Ao invés disso, me chateio, me fecho e me prendo. Deixo de falar o que penso e vou levando do jeito que dá. Será que isso é "certo"?

Queria que algumas coisas não mudassem nunca e que outras mudassem sempre. Mas geralmente é tudo ao contrário do que se quer.

Enfim, queria que as coisas fossem simplesmente simples.

3 comments:

Mauri said...

Esta coisa de se fechar acontece comigo também e também não acho certo. No entanto com o tempo vejo que muitas pessoas não merecem aquilo que culpamos por não ter dado.

Eu diria pra confiar na intuição. Mas nossa intuição sabe ser bem infantil quando lhe é conveniente.

O jeito é tentar ser simples do nosso lado e tentar contagiar as pessoas com isso :)

Fernanda S. said...

Acho que você tem toda razão, Mauri: nossa intuição muitas vezes pode nos pregar peças e se comportar de maneiras diversas. O jeito mesmo é viver de maneira simples, né?

Beijão para você e obrigada pela visita ;)

Anonymous said...

Conviver/Viver é uma arte, Fer! uma arte nada fácil...bjs!