Thursday, May 24, 2007

* Desilusões, desânimos e crises *


“Apesar de tudo existe uma fonte de água pura
Quem beber daquela água não terá mais amargura...”

(Dança da solidão – Marisa Monte)

Às vezes dá um grande desânimo de tudo... desânimo de viver, de procurar, de estudar... vivendo num país onde quatro MESES de trabalho servem apenas para sustentar a “mamata” do governo é um absurdo. Ainda se tivéssemos condições reais de uso do transporte público, eficácia nos serviços da saúde, educação decente, tudo bem... mas, ao invés disso, temos corrupção, corrupção e.... mais corrupção. Num país onde empregadas domésticas sem estudo algum ganham mais que alguns mestrandos. Não, não estou desmerecendo as empregadas domésticas, entenda-me bem, mas o que quero dizer é que há pessoas que estudam como loucos para poder ter condições melhores e, quando se encontram dentro da real situação, se deparam com a triste realidade: nem trabalhando dia e noite-noite e dia, consegue-se um nível de vida auto-sustentável e, desta forma, o número de inadimplentes, empréstimos, agiotas só tende a crescer.

É difícil ir a um hospital e passar mais de 12 horas esperando pelo atendimento que não chega. Não por falta de profissionais, mas por falta de macas. O uso do transporte público é outra calamidade. Ir trabalhar usando o transporte público em São Paulo - uma cidade onde tem milhares de habitantes que precisam ir de um lado pra outro com rapidez – é outra calamidade, afinal não há transportes eficazes e em número suficiente para atender a população local. Aí, entram os carros. Trânsito infernal, stress, buzinas, caos... gasolina e álcool subindo, qualidade descendo, rodízio municipal, multas para encher os cofres de algum pilantra por aí e assim vai. E o ensino, então? Este é digno de dó. As escolas de ensino fundamental são de envergonhar a qualquer um. Uma ou outra são consideradas “boas”, mas apenas por força de vontade de alguns diretorese professores. Outras 90% ficam para trás na qualidade, a partir daí, surgem programas de “incentivo” como quotas na entrada da faculdade. Péssimo. Preferia que melhorassem o ensino e o salário dos professores para que os mesmos se sentissem mais motivados e, consequentemente, motivariam seus alunos a estudar de verdade, para que cada um pudesse ter a real capacidade de conquistar seu lugar na universidade pública, tendo o direito de estudar com dignidade.

A universidade é outro ponto a ser questionado. Querem tirar a autoridade da universidade pública... claro que querem fiscalizar o que se gasta, pois se for considerado “desnecessário”, óbvio que haverá um corte de verbas. E pra quê? Pra investir em algo mais útil? A resposta é siiiiim: na conta bancária do primeiro espertalhão que pegar o dinheiro e mandar para a Suíça. É muito mais interessante ter dinheiro em conta que uma população inteligente que não só elege de forma consciente, mas que cobra também de seus governantes.

Eu sei lá... ando meio de saco cheio de ouvir as notícias. É operação Navalha, é CPI do não-sei-o-que-lá, é corrupção daqui e de acolá. Será que tudo isso vai mudar?! Ouve-se de todos os lados que deve se votar com mais consciência: concordo e assino embaixo. Mas votar em quem? - esta é a questão. Ando meio desiludida com um país que elege pessoas como Clodovil e Frank Aguiar, por exemplo. Que ridículo uma pessoa ter preocupações tão pequenas ao dizer que as mulheres “trabalham deitadas e descansam em pé” em plena Câmara dos deputados quando há tantos outros assuntos a serem discutidos. Rios de dinheiro para sustentar pessoas que não fazem absolutamente nada. E a gente aqui, trabalhando sempre.... muitas vezes doente, muitas vezes cansado, mas sempre sustentando as riquezas dos outros.

É mesmo uma vergonha nacional, uma desilusão pessoal. “Desilusão, desilusão... danço eu, dança você na dança da solidão...”

4 comments:

Lívia Possi said...

É, Fê...
Dou toda razão pra Isa querer Ciências Plíticas, e principalmente, por toda garra que ela demonstra em querer se empenhar mais com todo o lado social...

E dá pra acreditar que fazemos Direito? Últimamente a maior arma pra defesa desses bandidos todos???...
Calamitoso... Deplorável...

Disse Getúlio uma vez, "Aos amigos, tudo; aos inimigos, a lei."
Pior ainda nos olharmos e sentirmo-nos os inimigos da oração.

Beijo, flor!
Adoro-te!

Flavia Melissa said...

desilusões... quando a gente até tenta acreditar que desta vez vai ser diferente, quando a gente tenta pensar que não existem regras e que a generalização é injusta e improdutiva.

desânimos... quando a gente percebe que tentou acreditar em um monte de coisa que parece só existir dentro da nossa cabeça, quando a gente nota que coisas boas parecem ser a exceção da regra, e que a generalização é, na verdade, apenas uma forma de abreviar o discurso.

crises... e como não tê-las?

por isso eu digo: a saída é arrumar as trouxas e morar na praia!
adooooooooooooro!

beijones e... ahhhhh!!! e hoje, hein?

Caco said...

Quem sabe tudo fai ficar tão podre que vai secar e morrer. Talvez, algo novo, viçoso vá nascer no lugar. Sei lá... fica a esperança.


Beijo & stay hopeful.

Nana Ferreira said...

É mesmo desestimulante, se pensar que além disso que vc escreveu tem muito mais. Tem muito mais abandono, muito mais falta de vergonha na cara, muito mais hipocrisia, mais falsidade, e muito menos coisas que deveriam existir aos potes.

Solução, muito poucas externas a nós mesmos. Conformar-se? Difícil.

Talvez só fazendo aquilo que está no nosso alcance, e quem sabe esperar assim que aconteça um efeito dominó.

Já assistiu A Corrente do Bem? Vale a pena. Lembrei desse filme quando li seu post.

Beijos