Saturday, October 20, 2007

* Being bored *

“Como uma pedra que divide o rio
Me diga coisas bonitas..


A vida inteira eu quis um verso simples
Pra transformar o que eu digo...”

(“Mais feliz” – Adriana Calcanhoto)

De repente meu mundo acordou sem cor. Sem vida. Sem vontade. Não sei muito bem aonde foi que ela se perdeu, apenas sei que não está mais aqui. Saiu por alguma frestinha ou escapou por entre os meus dedos. Na verdade, acho que não pode ter escapado dos meus dedos, pois nunca esteve nas minhas mãos de fato.
Fico imaginando como as coisas seriam diferentes se.. se... se... sempre “SE” e não o que realmente são. Faço diversas hipóteses, dispo possibilidades, viro idéias do avesso, mas sempre na condicional. Sempre dependendo de algo. Ou de alguém.
Escuto conversas e observo pessoas e fico imaginando como as coisas podem ser assim. Uns tão sonhadores, outros tão cruéis consigo mesmo. Presto atenção em cada pequeno detalhe tentando entender ou achar uma lógica razoável, uma explicação plausível para a torrente de informações e mais uma vez, nada acho. Claro que parto dos meus valores para enxergar o mundo (e quem não parte?) e eles estão tão arraigados em mim que parecem estar por baixo da minha pele, da onde não dá para tirar e se eu quiser, dói, machuca, irrita e faz pequenos hematomas. Por conta destes mesmos valores que acho tão difícil ver as coisas como elas são. Sempre tento olhar por um lado positivo, mesmo que não haja nenhum. Procuro uma resposta boa em meio ao caos, uma luz no fim do túnel, mas quando me deparo com a realidade – nua e crua – fico magoada. Magoada por olhar para dentro de mim mesma e ver que não sou assim ou não consigo tais proezas. Triste? Talvez seja, pois já faz um tempo que a minha busca incessante não vai a lugar algum. Antes porque sempre girava em círculos, como um oroboro. Agora ela anda para frente, mas parece uma estrada sem fim. Sem nada encontrar.

3 comments:

Sir Josef K. said...

Benvenutta al mio mondo! Fuja da lógica cristã-capitalista-ocidental, tome um sorvete, deixe suas idéias amadurecerem no seu jardim interior, sob o céu de primavera, e peça ao ajudante de jardineiro um ramalhete de flores. Então olhe para o espelho e ria de si mesma. hehehe :P

Beijos

Fê Savino said...

Ok, ok.. juro que vou tentar tentar...

pretinha said...

eiiiii

pra que tristeza??? não faça isso....

amoo vc

bjocaaaa