Sunday, October 21, 2007

* Trancada a sete chaves *



Seria um apartamento pequeno. Um teto, algumas paredes. Um lugar para dormir e acordar, umas almofadas coloridas e grandes para sentar e diversas prateleiras espalhadas. Uma escrivaninha, uma cadeira. Paredes brancas. Um banheiro. Sem telefone, sem internet. Algumas janelas - nem muito grandes, nem muito pequenas - com vidros transparentes. Algumas cortinas, caso não queira ver a luz do dia ou que queira acordar às quatro da tarde. Um lugar que ninguém saiba o endereço e nem tenha as chaves para entrar, além de eu mesma. Passaria três, quatro dias sem sair, sem ver ninguém, sem saber notícias do mundo externo. Veria apenas o que está dentro de mim. Organizaria as minhas coisas do jeito que eu quero e na hora que eu quero. Arrumaria minha cama quando eu bem entendesse. Escreveria sobre os meus pensamentos sem suspeitar que alguém estivesse lendo-os na tela por trás de mim. Ninguém entrando ou saindo sem ser convidado.
Não teria mais ninguém para assistir a minha vida. Nenhuma testemunha, apenas eu mesma. Ninguém pra me dizer que estou errada ou certa, que tenho que sair mais, que não posso só estudar, que tenho que me divertir, que trabalhar não é tudo, que não posso ficar pra sempre deitada, que a vida é pra ser vivida, que eu tenho que mudar, que o amor da minha vida um dia vai chegar, que eu tenho que conhecer mais gente (mais???), que eu tenho que pensar sempre positivo, que preciso ver as cores da vida e das pessoas... enfim, ninguém pra me encher o saco. Ninguém para mentir sobre pequenas, médias ou grandes coisas (essa seria a melhor pedida).
As fotos já não são mais as mesmas. A minha imagem nelas estão cada vez mais horríveis. Não gosto do que vejo e não sei como mudar. Ando perturbada com alguma coisa que não sei bem da onde vem e nem como explicar. É esquisito, só isso.E aí, eu fecho a porta e me tranco lá dentro, sem ninguém pra testemunhar.
By the way... odiei o esmalte.
A little privacy wouldn’t hurt anyway.

10 comments:

Fê Savino said...

Foto: "Basta!" por José Eduardo

Gian said...

hum... Você sabe qual o mal que sofrem as pessoas que só vivem dentro de si mesmas, né!? hehehehe

Em todo caso, http://www.jperegrino.com.br/Psicologia/assertividade_a_arte_da_afirmacao.htm

Parece bobo, mas vai por mim, pelo menso dessa vez, pode te ajudar. :P

beijos

Gian said...

http://www.jperegrino.com.br/Psicologia/assertividade_a_arte_da_afirmacao.htm

Caco said...

Tive visitas e depois fui para aí, Terra Brasilis. Voltei hoje. Depois publico coisas novas e comento por aqui. Beijo & stay beautiful.

lucas a.m. said...

Minha vez de ficar viajando no seu blog. Gostei muito..

Beijos, querida.

pretinha said...

poxa... não tem nenhum cantinho pra mim nesse quartinho??? hahah

entendo o que vc está sentindo.. (será?) na verdade tento entender e às vezes me sinto assim também.. nem tudo é como queríamos que fosse nessa vida, portanto temos que apenas viver o momento e tentar se preocupar menos, pensar menos... siga os "conselhos" de Alberto Caeiro... apenas sinta, não pense.. pensar muito estraga!!!

te amo demais minha tropecinha!!!!!

bjocaaaas

Fê Savino said...

Gian: Obrigada pela dica... já dei uma lida e prometo que tentarei ser um pouco mais assertiva... hehe
Bjo!

Caco: uau!!! Quer dizer que veio visitar nossa terrinha? Poxa, que delícia! Vou ficar sem computador uns dias, mas quando este voltar, prometo ir te visitar... hehe
Bjos & smile pretty!

Lucas a.m.: Mas que honra ter o senhor por aqui!! Espero que venha "viajar" mais vezes...
Beijos, chuchu!

pretinha (minha): aqui ou em qualquer lugar que eu for nesta vida, sempre terá um espaçi reservado para você... não importa aonde!!!
Amo você tb... (faz tempo que não dizia isso, né??)
Beijooooo

Caco said...

Ok, tudo bem. Pode se trancar, mas que não seja para sempre. Só 'for a while'.
Beijo & stay unleashed.

aurora said...

xii,, acho que estamos todos nessa onda de querer um quartinho só pra gente..por que será? menina, vortei..que confusão nas idéias, nas ruas..vamos lá, uma coisa de cada vez!
beijão, espero que até já, alba.

Flavia Melissa said...

sonho meeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeu!