Friday, March 05, 2010

Sempre clandestina

Quando se quer desviar a atenção de determinado pedaço da sua vida, você respira fundo, vira para o lado e se apega à atividade que mais toma o tempo do seu dia: o trabalho (pelo menos no meu caso).

Faz de tudo para se focar ao máximo, pensa em outras coisas no mínimo, realiza tarefas da melhor maneira possível, sem deixar que o tempo sobre. Sem deixar que o tempo reflita o sentimento. Racionaliza.

Os sentimentos são tolos, mesmo quando verdadeiros. Alguns de nós se apega a eles como se fossem grandes verdades. Deixamos que as coisas aconteçam e, sem perceber, surge um coração saltitante, uns olhinhos brilhantes, uma promessa ao pé do ouvido...

Por outro lado, quando as coisas se tornam mais claras aos nossos bobos olhinhos e percebemos que, na verdade, os sentimentos não são grandes coisas para as pessoas do mundo de hoje, tudo se perde junto com a poeira da secura. Tudo seca. Tudo murcha.


A felicidade sempre iria ser clandestina para mim

4 comments:

M. said...

Eu também me refugio no trabalho para matar o tempo. E tem toda razao sobre os sentimentos.

Estou sem muita criatividade pra comentar, mas adorei teu post. =)

Um beijo!

~*Rebeca e Jota Cê*~ said...

Realmente hoje em dia tudo acaba num passe de mágica... o que vale pelo visto é o rodízio.

até mais.

Jota Cê

Caco said...

Disse tudo, em poucas palavras. Só cheguei a esta conclusão muito tarde, muito tarde.
Beijoca, Fezoca!

Gabriela said...

Lembra do que te disseram antes disso acontecer; ainda nao era esse, Fe!! Soh nao perca as esperancas e se feche no trabalho. Voce precisa estar aberta para as coisas acontecerem... Mesmo que sofra. Vale a pena. E algum dia vai valer mais ainda. Voce vai ver.

Olha esse post, pode ajudar: http://larissathinksalot.blogspot.com/2010/03/love-is-everything.html

Beijos e saudade!