Saturday, September 06, 2008

~ Um mês: balanço ~



A saudade ainda aperta no peito. E muito.
Não sei o que aconteceu com Londres... ou será que foi comigo? Senti algo diferente de vez, uma conexão maior.
Hoje faz exatamente um mês que eu voltei de lá. Voltei triste, chorando. As lágrimas grossas, pesadas e quentes ainda são sentidas no meu rosto de vez em quando. Não queria voltar e não escondo isso de ninguém. Só de mim mesma de vez em quando... assim, o conformismo com a vida real vem mais depressa.
Há coisas inexplicáveis na vida. Essa minha viagem foi uma delas. Voltei pra vida que eu levava antes de eu ir, mas voltei diferente, estranha. Não sei mais o que estou sentindo no que estou fazendo hoje em dia. O prazer se foi sem dar notícias se vai voltar. Ainda sinto prazer em estudar, pois amo estudar, não tem jeito. Mas alguma coisa está errada. Não consigo mais prestar atenção como antes. Meu sono me impede de permanecer de olhos abertos. Meu cansaço é extremo e, meudeusdocéu, só faz um mês que voltei de férias.
O trabalho? Adoro. De verdade. Mas está me matando aos poucos. Estou envelhecendo a cada dia. Não sobra tempo pra mim. Nào sobra tempo pra nada. O meu maior prazer fica de lado, pois estou muito ocupada com tantas outras coisas e pra quê mesmo?! Nada. Não é pelo dinheiro, é pela experiência. Sim, claro... experiência cansa. E me envelhece e me torno uma pessoa que olho no espelho e não reconheço.
O desânimo tem me atropelado e a falta de tempo também.
Londres estava maravilhosa. Queria ter ficado com prazo de validade, mas ficado. Voltar em Dezembro quando tudo e todos estariam em festas e comemorações. Um ano novo pela frente cheio de coisas novas e boas e com um fôlego diferenciado.
Sinto saudade do cheiro, do lugar, das pessoas e até mesmo do tempo estranho e cheio de vento o tempo todo.
Sinto saudade de acordar feliz por estar cercada de coisas boas e ter uma vida mais leve.

4 comments:

Lívia Possi said...

Certa vez, estáva passeando de ônibus perto do antigo colégio, e ao passar a catraca dei passagem à uma moça. Extranhei a demora dela aceitar que eu tivesse deixado passar pela minha frente, e então olhei de volta. Não havia niguém atrás de mim. O que eu havia visto era meu reflexo no vidro... E passei, pensando se era daquele jeito que me enxergavam os outros.
Se era daquele jeito que eu preferia me enxergar...

Talvez você também prefira...

Caco said...

Nem sei o que te digo, viu?
Vou ficar quieto mesmo. Um beijo para você.

Flavia Melissa said...

é como se houvesse uma saudade gigante da gente mesma em outros cenários.

te entendo mais do que vc pensa, savinoooo.

amo.

aurora said...

non ci credo bella! eri qui a londra? qui sono io, da luglio...
fico ate' dezembro, o tempo que seria justo ficar e talvez eu volte se eu conseguir escolher o caminho que o peito quer seguir.
o vento aqui esta' soprando ainda mais forte...mas as vezes ando de onibus numa tarde ensolarada e penso: como e' gostoso estar numa cidade como esta!
Um beijo blogueiro de quem ha meses nao passava por aqui...Alba