Thursday, January 07, 2010

Lado a lado?

Não eu não quero extremos. Não sonho com o casamento perfeito, com uma casa perfeita, com um marido perfeito, com filhos perfeitos, com uma carreira perfeita, com qualquercoisaqueseja perfeita. Nada disso. Sou bem pé-no-chão para determinadas coisas, mas eu tenho que admitir que faço planos para o futuro, como qualquer outra pessoa. Planos de carreira, de constituir uma família com alguém legal, de viagens, de estudos e afins. E não to pedindo para que tudo seja perfeito, pois por mais que se busque a perfeição, ela dificilmente é alcançada. Não to pedindo nada além do normal. Eu não quero ser brilhante em tudo o que eu faço, pois sou humana acima de tudo, mas também não quero ser um lixo ambulante alienado e sem vida. Quero poder ser eu mesma e ter sonhos, ainda que não perfeitos. Eu sei perfeitamente que não se pode ter tudo, mas acredito que alguma coisa a gente ainda possa ter. Sei também que no mundo em que vivemos hoje é praticamente impossível se conceber duas idéias juntas: família e carreira. A grande maioria das pessoas bem sucedidas abriram mão da sua família para chegarem aonde chegaram. Abriram mão do seu lado humano para se tornarem profissionais de alta qualidade e, consequentemente, disputadíssimos no mercado. Ou, por outro lado, abriram mão das suas carreiras para se dedicar integralmente à casa, aos filhos e à família. Não os culpo e muito menos os julgo, pois cada um sabe a escolha mais certa para a sua própria vida, mas ainda sim, reflito se é isso o que eu quero para a minha vida.

Todos nós sabemos que os tempos de "amélia" já se foram há muito e hoje em dia, nós, mulheres, temos funções acumuladas. Não basta sermos esposas, mães, empregadas da própria casa, ainda sim, temos que ter uma carreira. É quase que imposto, já não sendo mais uma opção nos tempos de crise. Não que eu ache isso ruim, pois não acho, afinal acabamos conquistando uma independência financeira (odeio ter que depender dos outros!) e uma liberdade maior em determinados aspectos, mas é aí que paro para pensar e me perguntar se não seria possível conciliar uma coisa com a outra de modo que ambas andassem lado a lado sem ter que haver uma disputa.

Não peço muito e nem os extremos, mas peço a média, a conciliação. Será que é possível?

2 comments:

M. said...

Sobre seu comentário... não estava me remoendo sobre o tédio (pelo menos não foi a intenção), mas acho que foi o dia mesmo, porque o dia seguinte ja amanheceu bem melhor e está tudo bem de novo =)

Sobre o teu post... o assunto é muito interessante e daria uma boa conversa. Muitas vezes me perguntei porque essas 2 vidas "não conseguem" andar juntas e achei a resposta: realização pessoal. As pessoas escolhem aquilo que as realizam [não pra sempre, mas pelo menos por um tempo]. Voce pode construir uma carreira que vai te realizar e negligenciar naturalmente o lado familiar. Assim como o inverso. Mas discordo contigo sobre a impossibilidade de se realizar nas duas partes... quando você se sentir realizado de um lado vai buscar realização no outro também e aí você pode ver que é possivel ser feliz no amor e no trabalho =)

Estou experimentando um pouco disso agora. Estou feliz com minha vida profissional e agora um pouco mais feliz na vida amorosa. De repente o impossivel se tornou possível.

Mega beijo!

Caco said...

Equilíbrio is the word of the day, né? Te entendo completamente. é tão difícil atingir, ou ao menos lembrar de, o equilíbrio.
Tenho pensado e entendido melhor e desejado mais algo chamado qualidade de vida. Saúde, risada, bem estar, no stress, tudo isso tenho almejado. Se vou conseguir, só Deus sabe.
Beijodaí.

PS.: Obrigado pelo link no twitter.