Sunday, April 27, 2008

~ Conversas tácitas ~


Gosto muito de tentar conversar com você normalmente. Como se nada eu sentisse além da nossa “quase-amizade”. Sinto uma cumplicidade que é só nossa, apesar de nem termos tanta proximidade assim.
Quando conversamos, gosto de te fazer perguntas tácitas e eu sei que as respostas nunca virão. E é muito gostoso ouvir o teu sotaque engraçado que te dá um ar de único.
E te admiro. Admiro mesmo. Se eu pudesse, seria como você exceto pelo fato de ser sozinho. Sabe, eu não penso mais em ficar sozinha a vida inteira. Já pensei, não vou mentir, mas agora não penso mais. Ao contrário, penso em construir uma vida diferente com outra pessoa, apesar de que só de pensar em ter uma casa e ter que me virar sozinha, fico com medo... e cozinhar, então? Aliás, você sabe cozinhar? Macarrão não vale! Eu também sei.. e sei muito bem, não deixo passar do ponto!
Mas, enfim, um dia, quem sabe, eu seja uma pessoa mais próxima sua e descubra os seus segredos sem ter que perguntar tacitamente e esperar uma resposta que nunca virá. Quem sabe não terei que saber de você por terceiros que eu nem conheço, mas que me contam como você era quando mais novo. Quem sabe um dia eu ainda sinta toda a mistura de calor e vergonha de uma só vez, quando estiver bem perto de você, sentindo seu abraço forte...
(*) Escito em 18/03/08

3 comments:

Fernanda S. said...

Foto por Armindo Dias: "de uma estação ausente: só, contigo"

Sir Josef K. said...

"Em meu peito batem dois corações- Ai de mim!" J. W. von Goethe

Riesci a respirare ancora?

baci

Fernanda S. said...

Sì... respiro beníssimo... queste sono soltanto alcuni pensamenti... non ti preoccupare!
Bacione